Categorias
Aprendizado

Há um aprendizado nessa Pandemia?

E, não repentinamente, o mundo assistia à chegada de um vírus que, até então, era inofensivo sob muitos olhares e perspectivas. Quanta inocência! Quantas vidas seriam cessadas, sonhos interrompidos, projetos postergados e empregos na berlinda. E a economia? Ah, como está em uso essa palavra. Os prejuízos serão incalculáveis e, muito provavelmente, beirarão ao caos.

Nesta pandemia, muitos têm revelado seu verdadeiro caráter e para que vieram. Esse é o ser humano? Aquele que se considera onisciente, onipotente e onipresente está a um passo da loucura. E “k entre nós”, é difícil não surtar neste momento. Rivotril, calmantes e ansiolíticos serão vendidos como nunca antes na história. Pessimismo da minha parte? Não, mas estaria a humanidade doente por demais e a natureza implorando por socorro diante de tanta ganância? Nesses últimos dias, ela tem dado algumas respostas e um suspiro na alma tem nos acalentado.

Devido ao coronavírus, touradas e 120 touros estão salvos na Espanha; China proíbe comércio e consumo de animais selvagens, pandas aproveitam zoológico vazio na quarentena para acasalar após dez anos; sem humanos, 97 tartarugas marinhas nascem em praia de Pernambuco. Quer mais?  Vários países que se encontravam em guerras históricas chegaram a um acordo de paz temporário, como Síria, Iêmen, Israel e Palestina. A Cisjordânia, inclusive, recebeu de Israel 20 toneladas de desinfetante e outros 400 kits de testes para detectar o vírus, além de outros 500 itens de proteção para as forças de segurança e equipes de saúde, segundo informações da Istoé.

Religiões e líderes religiosos (alguns, infelizmente, são caso perdido) têm se respeitado mais e percebido que não existem verdades absolutas. Orações ao redor do planeta clamam por saúde e emanam amor. Pessoas pelo mundo, anônimas ou não, dando um show de solidariedade, de respeito à vida humana e percebendo, finalmente, a importância do sistema de saúde público, da ciência e da liberdade. Uauu…Como é bom ser livre e sentir a brisa  no rosto. Que isso nos faça olhar os animais com mais ternura e compaixão e libertá-los de zoológicos, gaiolas e jaulas.

Aos poucos, nossas vidas vão voltar ao normal. Ou não!!! Não seremos mais os mesmos. Essa distância, infelizmente necessária, dará espaço para abraços mais verdadeiros e afetuosos. Por ora, sigamos com o provérbio budista: “A felicidade nasceu do altruísmo, a infelicidade, do egoísmo”.

Tudo vai passar!

Paula Emmanuela Fernandes