Já assistiu ao Fabuloso Destino de Amélie Poulain?

“Quando o dedo aponta o céu, o idiota olha para o dedo…” Já sabe de qual filme estou me referindo? Qualquer cinéfilo sabe que se trata de “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, escrito e dirigido por Jean-Pierre Jeunet e interpretado pela “lindeusa” daAudrey Tautou, em 2001. É o meu filme favorito, sem titubear.
Sou do tipo que troco qualquer balada para assistir filmes, principalmente se for cinema francês. Eles vêm carregados de delicadeza, sensibilidade, originalidade e com um quê de poesia que eu amo! Conheci o Fabuloso Destino de Amélie Poulain quando cursava jornalismo, por volta de 2005. Meus colegas mais nerds já o conheciam e, um deles, o Nino, gentilmente me apelidou de Amélie Paulinha. De lá para cá, pelo menos uma vez por ano, eu assisto esse clássico.

O filme tem uma fotografia linda. A paleta de cores viva, em especial, o vermelho, verde e amarelo, foi inspirada nas pinturas do artista brasileiro  Juarez Machado. Orgulho pra gente, né? A trilha sonora de Yann Tiersen é capaz de nos transportar para outro país. Mas confesso que não foi isso que me prendeu do início ao fim do filme. Foi a narrativa mesmo, que me tira risinhos bobos a todo momento. “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” é  atemporal que foge de uma realidade dura e nos apresenta um mundo gentil, colorido e encantador. Faz a gente voltar à infância (sem ser infantil) e fazer coisas que nos davam ou ainda nos dão prazer, como: tirar a cola do dedo, colocar comidinhas em cada dedo e comê-las depois ou enfiar a mão num saco de cereais.

A protagonista é uma pessoa normal que decide escolher viver atenta às belezas das pequenas coisas do cotidiano e fazer com que as pessoas ao seu redor sejam felizes e sintam seus melhores sentimentos. Certa vez, eu li e resolvi parafrasear: “Amélie é uma grande heroína das simplicidades da vida”. O interessante é que minhas pessoas favoritas no mundo são um pouco Amélie. Não vou citá-las, mas elas sabem direitinho quem são.

Arte de feltro: @feltrosdababi
Blusa; @ameliefoial

Por livrolandiacontagem

Mineira de Belo Horizonte, a jornalista e escritora Paula Emmanuella Fernandes sempre procurou agregar suas atividades e conhecimentos em ações transformadoras da realidade social. A antiga paixão pelas artes cênicas foi concretizada com a formação no Canadá e, no Brasil, em trabalhos de monitoria com crianças e adolescentes em vulnerabilidade social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s